16/02/2020

PREVPAP: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DÁ COM UMA MÃO E TIRA COM A OUTRA

Tardam as respostas cabais e claras sobre o PREVPAP. Os psicólogos que concorreram ao PREVPAP continuam a ver demorada a resolução final das suas situações, numa demora que não se entende e só se explica pela falta de vontade do governo em efetivamente regularizar os vínculos dos trabalhadores em funções públicas.
Se não bastasse, começa a ser previsível que nas escolas, em concreto, os psicólogos que durante vários anos auferiram, com justiça, em equiparação ao índice 151 da carreira docente, 1351 euros, passem agora, ao efectivar, a auferir menos 170 euros por mês. É uma traição, desonesta e injusta, assente em supostos legalismos de igualdade de tratamento, mas que na verdade só pretende embaratecer o processo de regularização de contratos de trabalho na função pública!
Não podemos, não aceitamos que depois de mais de duas décadas sem concursos, venham agora dar-nos este presente envenenado, no qual ou o trabalhador se sujeita a receber menos 170 euros ou escolhe o desemprego. Nada justifica que para a mesma função haja retrocessos salariais! Perder 13% do salário é uma afronta, uma desonestidade é um ataque que os trabalhadores não vão aceitar.
O SNP recusa a regularização do vínculo à Função Publica com um salário inferior ao anteriormente auferido. Pela justiça e rapidez na resolução do PREVPAP, com respeito pelos índices remuneratorios prévios, o SNP exige uma resposta urgente do Governo, garantindo que nenhum psicólogo será preterido nem prejudicado com a finalização deste programa de regularização!