Próximas acções
Sem Eventos
Agenda
Abril 2014
2a 3a 4a 5a 6a S D
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 1 2 3 4

feed_icon

postheadericon Assembleia Geral do SNP - 15.3.2014 -Correção de convocatória

Por lamentável lapso, a data da Assembleia Geral foi publicada com erro, indicando o mês de Fevereiro quando, na verdade, deveria ter sido indicado Março. Por esse motivo, republica-se o Edital.

 

Assembleia Geral do SNP - 15.3.2014

Vítor Hugo Ferreira da Silva, Presidente da Mesa da Assembleia do Sindicato Nacional dos Psicólogos, convoca, conforme estatuído no artigo 32º dos Estatutos do Sindicato Nacional dos Psicólogos, uma Assembleia Geral Ordinária, para o dia 15 de Março de 2014, pelas 15 horas, nas instalações do Sindicato, sito na Rua Jardim do Tabaco, nº 90 – 2º Dto., em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

  1. Aprovação do Relatório e Contas referente ao exercício de 2013;
  2. Aprovação do Orçamento Geral para 2014.

A Assembleia Geral Ordinária tem início à hora marcada, nas instalações do Sindicato Nacional dos Psicólogos.

Lisboa, 11 de Fevereiro de 2014

O Presidente da

Mesa da Assembleia Geral

Vítor Hugo Ferreira Silva

 

postheadericon Manifestaçao Nacional - dia 1 de fevereiro - a presença essencial dos Psicólogos!

Passados anos do "plano de resgate" provou-se que a missão deste governo é só uma: empobrecer quem trabalha e enriquecer a banca e os grandes grupos económicos.

Apesar da recente campanha do governo afirmando que o país está "a recuperar da crise", sabemos que dizem uma mentira baseada em manipulação de dados estatísticos e dissimulação da realidade.

Estes argumentos falaciosos caem perante os factos que os portugueses tão bem conhecem: o persistente agravamento das condições de vida e da precariedade dos trabalhadores em Portugal!

Os psicólogos, condenados à incerteza nos  seus postos de trabalho, não esperam mais do que a continuidade dos falsos recibos verdes, dos "voluntariados" forçados e de décadas sem concursos para a carreira.

 

É possível a mudança! É hora de exigir o direito ao trabalho com direitos!

 

Participa no dia 1 de fevereiro, pelas 15h30, na Praça dos Leões no Porto, ou no Cais do Sodré, em direção aos Restauradores, em Lisboa, nas grandes manifestações da CGTP, com o Sindicato que te defende  - o SNP!

lx    prt

 

postheadericon Assembleia Geral do SNP - 15.2.2014

Vítor Hugo Ferreira da Silva, Presidente da Mesa da Assembleia do Sindicato Nacional dos Psicólogos, convoca, conforme estatuído no artigo 32º dos Estatutos do Sindicato Nacional dos Psicólogos, uma Assembleia Geral Ordinária, para o dia 15 de Fevereiro de 2014, pelas 15 horas, nas instalações do Sindicato, sito na Rua Jardim do Tabaco, nº 90 – 2º Dto., em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

  1. Aprovação do Relatório e Contas referente ao exercício de 2013;
  2. Aprovação do Orçamento Geral para 2014.

A Assembleia Geral Ordinária tem início à hora marcada, nas instalações do Sindicato Nacional dos Psicólogos.

Lisboa, 28 de Janeiro de 2014

O Presidente da

Mesa da Assembleia Geral

Vítor Hugo Ferreira Silva

 

postheadericon OS PSICÓLOGOS SÃO IMPRESCINDÍVEIS NA ESCOLA PÚBLICA

A defesa da escola pública e do ensino gratuito e de qualidade exige hoje uma compreensão de fenómenos psicossociais nos quais a Psicologia tem de ser, categoricamente, ouvida. Como tal, os psicólogos escolares desempenham um papel fundamental na avaliação e intervenção em diversas situações, muitas das quais semelhantes às que a comunicação social tem recentemente divulgado. O lugar do Psicólogo Escolar não é nem pode continuar a ser o da necessidade temporária e transitória.

Recentemente o ministério da educação foi forçado a tornar efectivo o vínculo de cerca de 2000 professores, finalmente reconhecendo que o seu trabalho é imprescindível. Um grão de areia no meio de milhares de trabalhadores que são atirados para o desemprego em consequência da visão economicista deste Governo, mas uma vitória face a à postura autista do MEC.

Os psicólogos escolares, presentes nas escolas portuguesas há mais de 30 anos perguntam: e nós? Por que razão estão diversos psicólogos há uma década, ou década e meia, a contrato, precários, em constante instabilidade? Como podem almejar os novos licenciados encontrar emprego? Para este e anteriores governos, o respeito pelo trabalho permanente e continuado do psicólogo, de carácter preventivo, não se coloca.

Não há outra solução que não a da contratação efectiva. Não há outro caminho que não seja o do reconhecimento de que o psicólogo é uma necessidade permanente. E um governo que não reconhece isto é um governo que virou as costas à Escola pública, tacanho e de pouca noção relativamente ao que é educar no século XXI.

Basta de precariedade, de subterfúgios de faz de conta para tentar dizer que as escolas têm psicólogos: os psicólogos escolares portugueses exigem a contratação efetiva!

Lisboa, 23 de Janeiro/2014

A Direcção

 

postheadericon Hospital de Santa Maria: SNP sempre presente

O SNP tem vindo a dar continuidade ao duradouro trabalho desenvolvido no Hospital Santa Maria, com uma aproximação cada vez mais frutífera dos Psicólogos deste Hospital.

As últimas reuniões plenárias realizadas, nos dias 14 e 25 de Novembro, para além de servirem como mais um momento de aproximação entre o SNP e os trabalhadores deste hospital, serviram para que se pudesse tomar conhecimento das principais preocupações dos colegas presentes, tentando perceber as causas dessas preocupações, assim como algumas estratégias a delinear para as ultrapassar.


As principais dificuldades levantadas pelos trabalhadores foram:

  • A disparidade de vínculos contratuais, existindo vários psicólogos com contratos individuais com características diferentes entre si.
  • O aumento de horas de trabalho impostas aos trabalhadores que pertencem aos quadros e com vínculo indeterminado à função pública, estando as 40 horas de trabalho semanais já em vigor, apesar da luta das frentes sindicais
  • A disparidade na aplicação de regulamentação interna, como por exemplo a laboração e jornada continua, medida que imposta pela Troika e Ministério das Finanças à administração, e que não reconhece a especificidade do trabalho em contexto hospitalar.
  • O número de consultas que cada profissional está sujeito é crescente e é sentido como uma ameaça real à qualidade da resposta dada por estes profissionais a cada utente.
  • A avaliação dos psicólogos, através do SIADAP, não é vista como justa por todos, por não estar adaptada às características especificas da função de psicólogo e por esta avaliação não ser efectuada por um profissional da mesma carreira.
  • A dificuldade de cooperação entre os psicólogos deste hospital, enquanto classe profissional, é agravada pela ausência de um Departamento de Psicologia (existentes noutros hospitais)
  • O volume de trabalho contínuo condiciona a possibilidade de um contacto onde os profissionais possam partilhar as suas experiências e dificuldades, bem como realizar articulações técnicas relacionadas com a casuística e formação, impedindo ao mesmo tempo uma efetiva organização em prol de uma melhor e mais eficaz qualidade de resposta de psicologia.
  • O SNP, juntamente com os trabalhadores do Hospital Santa Maria delinearam um conjunto de estratégias com o objetivo de um aprofundamento da relação entre os trabalhadores e o seu Sindicato, assim como a criação de respostas aos problemas detetados. Entre elas destacamos:
  • A possibilidade da realização de um encontro entre os psicólogos trabalhadores do Hospital Santa Maria e alguns dirigentes do SNP e assim estreitar a ligação entre os profissionais deste hospital e o seu Sindicato.
  • Distribuição de documentos entre os trabalhadores do hospital, enquanto resumo dos temas tratados nas várias reuniões.
  • O desenvolvimento de um grupo de trabalho, com vista à produção de um documento em defesa do Serviço Nacional de Saúde e do livre acesso aos serviços de saúde pública, como factor estruturante de uma política de promoção e proteção do bem-estar e saúde mental das populações. Eventual envolvimento com a Plataforma em Defesa do Serviço Nacional de Saúde.

No seguimento dos trabalhos desenvolvidos está já agendada nova reunião plenária neste Hospital para o próximo dia 13 de Janeiro de 2014, onde se conta com um número cada vez maior de presentes, à semelhança do que tem acontecido, resultante duma confiança cada vez maior dos trabalhadores deste Hospital no seu Sindicato, o SNP!