05/12/2017

SNP presente no Congresso da União de Sindicatos de Viana do Castelo

Perspectiva da Mesa
 
 
 Apresentação do novo órgão dirigente
 
 
Intervenção final a cargo de Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN
 
O SNP participou no IX Congresso da União de Sindicatos de Viana do Castelo, no passado dia 30/11, onde mais de uma centena de delegados discutiram e votaram, entre outros documentos, o Plano de Acção e o órgão dirigente para o quadriénio de 2017 a 2021.

Num distrito com cerca de 250 mil habitantes, mais de um terço do qual se concentra no concelho e cidade de Viana, registou-se neste milénio uma redução significativa do emprego (mais de 12%), particularmente na Indústria mas também nos Serviços, e, reflectindo o grande peso que a Agricultura tem no distrito, uma estabilização do emprego neste sector que ocupa 10% do total dos trabalhadores por conta de outrem.

A precariedade impera, afectando um terço dos trabalhadores, a que acresce uma média salarial abaixo da nacional.

Estas situações reflectem-se na segurança laboral: mais de uma centena de mortes desde 2000, com uma média anual de 5 mil acidentes até 2010, reduzindo-se desde então para 4 mil - mais por redução do emprego e emigração do  que pela tomada de medidas correctivas, as quais passariam pelo reforço das equipas de Higiene e Segurança no Trabalho, área em que a contratação de Psicólogos seria um elemento fundamental para a redução dos factores e comportamentos propiciadores de acidentes.

O elevado desemprego e emigração constituem igualmente motivos de preocupação, uma vez que as novas propostas de emprego são tremendamente escassas: para uma população de 90 mil desempregados surgiam, em meados deste ano, menos de 200 ofertas, a maior parte (85%) e baixas remuneração.

Na Saúde as carências são igualmente sérias, particularmente no tocante a outros profissionais que não médicos e enfermeiros, onde se incluem os psicólogos.

Na Educação é visível o ataque à Escola Pública: desde 2000 fecharam mais de metade dos quase 600 estabelecimentos de então, enquanto os privados registavam um aumento superior a 20%.

E a 3° idade, incluindo mais de 50 mil pensionistas, enfrenta enormes dificuldades financeiras.
O Congresso aprovou, sem votos contra, a composição muito abrangente do novo órgão dirigente, e um Programa de Acção para os próximos quatro anos visando reivindicar e dar resposta a estes problemas. O SNP saúda os novos dirigentes, os sindicatos e os sindicalistas do Distrito de Viana do Castelo, apoiando a reivindicação de mais e melhores serviços públicos no distrito, devidamente equipados e dotados de pessoal qualificado, em particular psicólogos, não só para servir as populações locais como criar condições de atracção e fixação de jovens e de profissionais, diminuindo assimetrias, proporcionando melhor qualidade de vida e potenciando a economia local.



17/11/2017

SNP celebra acordo de empresa com o Colégio Valsassina


 

É sabido que um recente contrato coletivo de trabalho aplicável às escolas do ensino particular e cooperativo (que não teve o SNP ou qualquer outro sindicato da CGTP como outorgante) representou o mais grave retrocesso de direitos e garantias dos trabalhadores deste setor nas últimas décadas.

O SNP, alinhado nomeadamente com a FENPROF e outras forças sindicais, tudo tem feito para defender os psicólogos, instando a que não cedam à pressão exercida por diversas direções do Ensino Particular e Cooperativo (EPC) nem aceitem um Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) que chega, em algumas matérias, a penalizar mais do que o regime geral.

A prova de que vale a pena lutar, de que acordos que respeitem a progressão salarial e a manutenção das 35 horas podem ser celebrados, é o exemplo do Acordo de Empresa celebrado no passado dia 13 de novembro com o Colégio Valsassina, que incluiu entre outros sindicatos o SNP.

Outros colégios e escolas do Ensino Particular e Cooperativo se seguirão, demonstrando que apenas respeitando as condições de trabalho dos psicólogos se poderá, simultaneamente, garantir a qualidade do ensino e dignificar cada vez mais a profissão. 

Junta a tua voz à do teu Sindicato! Junta-te a esta luta! Sindicaliza-te!

15/11/2017

Novo prazo PREVPAP – Programa de regularização de vínculos precários na Administração Pública e no Sector Empresarial do Estado

A todos os trabalhadores em situação de vínculo precário na administração pública e setor empresarial do estado, satisfazendo necessidades permanentes de prestação de trabalho.

 

Novo prazo PREVPAP – programa de regularização de vínculos precários na Administração Pública e no Sector Empresarial do Estado


Se ainda o não fizeram, nos termos da portaria 331/2017 que altera a portaria 150/2017, o SNP informa que devem apresentar requerimento solicitando a regularização do vínculo de trabalho, a submeter ao programa de regularização dos vínculos precários na Administração Pública e no Sector Empresarial do Estado (PREVPAP), até ao próximo dia 17.

 

O Sindicato Nacional dos Psicólogos continuará a exigir que a um posto de trabalho permanente corresponda um vínculo de trabalho efectivo.

 

Apelamos também à participação de todos, na

Manifestação Nacional de

18 de Novembro!


A Direção do SNP

14/11/2017

Gande Manifestação neste sábado, 18 de Novembro!



Valorizar o Trabalho e os Trabalhadores!


Todos quantos têm obrigação e vontade de participar devem fazê-lo!
Queremos uma Manifestação animada e alegre, firme e combativa, que dê visibilidade às situações e reivindicações dos trabalhadores, com muitos panos, pancartas e bandeiras!

Em cada Distrito estão a ser preparados transportes para que todos possam participar!

Valorizando os avanços na recuperação de direitos e devolução de rendimentos aos trabalhadores, entendemos que é necessário acelerar esse processo e romper definitivamente com as politicas do passado que continuam a prejudicar o País e a dificultar a vida ao povo e aos trabalhadores.
É necessário avançar na resolução de problemas estruturais como a precariedade, é necessário dinamizar a contratação colectiva, é necessário um aumento geral dos salários, é necessário o aumento do salário mínimo para os 600€ em 2018, é necessário lutar pela redução dos horários de trabalho para as 35 horas semanais.




Ministério da Educação e direitos das mulheres



No passado dia 13 de outubro o SNP enviou um ofício para a DGESTE a pedir uma tomada de posição quanto à falta de respeito pelos direitos das mulheres por parte do Ministério da Educação.

Já no passado ano letivo o SNP alertou a tutela para a falta de aceitação dos pedidos de substituição das trabalhadoras com gravidez de risco ou a usufruir de licença de maternidade e as consequências desta conduta.

Para além da privação do acesso a serviços de psicologia por parte das comunidades educativas, o ME coloca em causa os princípios da igualdade de género e o direito das mulheres em conciliar a vida pessoal com a vida profissional.

O SNP informou igualmente a Autoridade para as Condições de Trabalho e a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego.

Quanto à ACT fomos informados que não há lugar à sua intervenção, "face aos poderes e competências que se lhe encontram acometidos nos termos da Lei Orgânica - Decreto Regulamentar n.º 47/2012 de 31 de julho – art.º 2.".

No que se refere à CITE, lamentamos a ausência de resposta e falta de implicação num assunto que abrange as suas principais atribuições, nomeadamente "prosseguir: a igualdade e a não discriminação entre mulheres e homens no mundo laboral; a proteção na parentalidade; a conciliação da vida profissional, familiar e pessoal" (in cite.gov.pt).

Neste momento, continuamos a aguardar uma resposta da DGESTE e sobretudo uma atitude do ME que ponha fim, de uma vez por todas, a esta prática incompreensível e inaceitável nos dias que correm.

Salientamos ainda que continuaremos a lutar para reverter esta situação, com os meios ao nosso dispor. É essencial que todas as trabalhadoras lesadas se pronunciem denunciando esta prática.

09/10/2017

Comunicado da Frente Comum - Greve Nacional de 27 de Outubro

Aos trabalhadores da Administração Pública: O tempo de luta é agora!


RECUSAMOS

-A inexistência de aumentos salariais e o congelamento da progressão nas carreiras.

Há demasiados anos que os trabalhadores da Administração Pública não vêm um tostão de aumento anual do seu salário e, por mais experiência e qualificação que tenham, a sua progressão está vedada. Recusamos continuar ser os alvos escolhidos para pagar os juros milionários das PPP e das imposições da Troika. Estamos perante opções políticas e não inevitabilidades!

Ao mesmo tempo que o Governo antecipa o pagamento dos juros da dívida e reduz o défice, os problemas dos trabalhadores mantêm-se.

Os trabalhadores da Administração Pública não têm qualquer aumento desde 2009; a esmagadora maioria dos trabalhadores não tem alteração da posição remuneratória desde 2005; as pensões mínimas tiveram aumentos pouco significativos (as mais baixas 4 cêntimos/dia) e as pensões superiores a 628,83€ continuaram congeladas desde 2010.

Assim não pode ser!

EXIGIMOS

-Estabilidade no emprego e um combate sério à precariedade!

O PREVPAP ameaça , cada vez mais, tornar-se um instrumento desadequado não para integrar mas para despedir trabalhadores. A Administração Pública tem carências graves de pessoal e, por isso, é necessário:
- a reposição do vínculo de nomeação para todos os trabalhadores;
- a imediata abertura de concurso com base nas listagens dos serviços, para todos os trabalhadores com vínculo precário que exerçam funções permanentes;
- o fim da proibição da contratação de trabalhadores na Administração Pública;
- que nenhum trabalhador seja despedido na sequência do PREVPAP.

TEMOS DIREITO A VIVER MELHOR

-Somos trabalhadores que garantem que todos os dias são cumpridos os direitos fundamentais das populações.

Temos direito à dignidade. Direito à carreira. Direito à valorização, dos salários e das pensões.
Lutámos e lutaremos pelo aumento do salário 4% com o mínimo de 60€ por trabalhador e pelo aumento das pensões!

Lutámos e lutaremos pelas 35 horas para todos!
Lutámos e lutaremos pelo descongelamento das progressões nas carreiras para todos e ao mesmo tempo — recusamos a distinção entre trabalhadores.
Lutámos e lutaremos pelo vínculo de nomeação e contra a precariedade no trabalho e na vida.
Lutámos e lutaremos contra a municipalização das funções sociais do Estado.

LUTAMOS!

Pelos nossos direitos. Pela nossa dignidade. Pela dignidade de todos! Melhores serviços públicos são mais e melhores direitos de e para todos.

DIA 27 DE OUTUBRO — GREVE NACIONAL DA FRENTE COMUM
LUTAI ADERE! MOBILIZA! FAZ OUVIR A TUA VOZ! 

Comunicado disponível em PDF aqui.

Comunicado aos Trabalhadores da SCML

Comunicado da Comissão Negociadora Sindical da SCML- 25.9.2017


SINDICATO DOS FISIOTERAPEUTAS PORTUGUESES

SINDICATO DOS PROFESSORES DA GRANDE LISBOA

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS E SOCIAIS DO NORTE

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS E SOCIAIS DO SUL E REGIÕES AUTÓNOMAS

SINDICATO NACIONAL DOS PSICÓLOGOS

SINDICATO NACIONAL DOS TÉCN. SUPERIORES DE SAÚDE DAS ÁREAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA

SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DAS TELECOMUNICAÇÕES E AUDIOVISUAL

 Após publicação do AE subscrito pelos sindicatos acima e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) continuamos a aguardar a resolução de alguns aspetos que foram acordados.

Temos acompanhado os desenvolvimentos e após divulgação do comunicado do Provedor e da Mesa solicitámos reunião com o objetivo de clarificar procedimentos e resultados dos compromissos assumidos no ato de subscrição do AE.

Na sequência da reunião os Sindicatos solicitaram esclarecimentos sobre o atraso no cumprimento da implementação das regras do acordo quanto às carreias profissionais e os efeitos da progressão nos seus contratos. Neste sentido, os representantes da SCML informaram que a dificuldade de atualização prende-se com questões de organização e a data da comunicação do Sr Provedor quanto à deliberação da Mesa, no que respeita à progressão.

Reafirmada a nossa posição de análise e acompanhamento de todas as situações de desigualdade resultantes da conjugação da progressão, decidida pelo Provedor com a integração na nova carreira profissional a SCML compromete-se com essa discussão, de modo a ser possível que todos os trabalhadores vejam alguma recuperação salarial provocada pela manifesta injustiça ilegalidade que foi o congelamento das carreiras profissionais.

Aguarda-se nomeadamente o catálogo de profissões existentes na SCML, para o qual enviámos contributos e os guias previstos no AE.

Continuamos a reivindicar a atualização do valor remuneratório das tabelas, uma vez que o mesmo não acontece desde 2010.

A nossa postura de acompanhamento e o vosso apoio é fundamental na luta por melhores condições de trabalho.
                 
Comunicado disponível em PDF aqui.